Inscrições abertas para o London International Youth Science Forum

LIYSF 2016 email

INSCRIÇÕES ABERTAS!

http://www.redepoc.com/lysf/inscricoes

Regulamento

http://www.redepoc.com/lysf/regulamento

Você sabia que

  • 63% das empresas brasileiras têm dificuldade de encontrar profissionais qualificados?
  • apesar do Brasil se encontrar hoje entre as 7 maiores do mundo possui o 53ª. posição no ranking mundial de qualidade educacional (PISA)?
  • deveriam se formar por ano  20 mil  engenheiros a mais do que se formam atualmente para atender as necessidades  do  crescimento do Brasil?
  • entre as 60 maiores economias do mundo nosso país ocupa a 46ª. posição no índice de globalização econômica (Ernst Young/Economist Intelligence Unit 2010)? Continuar lendo

PRÊMIO RESPOSTAS PARA O AMANHÃ – PARTICIPE!

banner 780 x 988

Conheçam os resultados da edição brasileira da Olimpíada Internacional Matemática sem Fronteiras 2016!

– a maior olimpíada de matemática interclasses do mundo –1

Mais de 60 mil estudantes de quase mil escolas públicas e privadas de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal participaram da 6ª. edição brasileira da Olimpíada Internacional Matemática sem Fronteiras – a maior olimpíada de matemática interclasses do mundo!

Dentre mais de 4.000 classes ou grupos participantes, 752 dessas classes (do 4º. Ano do Ensino Fundamental à 3ª. série do Ensino Médio) dividirão as 82 medalhas de ouro, as 190 medalhas de prata e as 354 medalhas de bronze, além das 126 menções honrosas pelo excelente desempenho nacional nessa competição única que concilia a complexidade do raciocínio matemático com o trabalho colaborativo. Cada classe resolve apenas 1 prova, ao contrário das olimpíadas convencionais em que cada estudante resolve sua prova individualmente.

Este ano, em função do crescimento do número de escolas e estados participantes, a comissão organizadora decidiu premiar os participantes pelo seu desempenho estadual também com medalhas de ouro, prata e bronze.

Seguindo o critério de ranqueamento usado nas Olimpíadas Esportivas, pelo número de medalhas de ouro e pelo total de medalhas, segue abaixo o desempenho dos estados brasileiros:

UF

Total de Medalhas Medalhas de Ouro Posição medalha de ouro

Posição total de medalhas

SP

252

50 1 1
MG

48

8 3

2

RS

44

9 2

3

CE

17 5 4

4

AM

17

3 5

4

DF

16 2 6

5

BA

14

3 5

6

SC

14

2 6

6

ES

13

5 4

7

MS

12

3 5

8

PA

12

3 5

8

PI

11

3 5

9

PE

11

2 6

9

GO

11

1 7

9

PB

8

2 6

10

AL

8

1 7

10

MT

7

1 7

11

MA

4

1 7

12

AC

1

1 7

13

SE 1 1 7

13

A Olimpíada Internacional Matemática sem Fronteiras é a maior competição educacional interclasses do mundo com participação de mais de 200 mil estudantes em 29 países e 10 idiomas.  Foi criada em 1990, pela Academia de Strasbourg, órgão do Ministério de Educação da França inicialmente com apenas três países participantes (Alemanha, França e Itália) com objetivo de promover a integração entre os povos do mundo através da Matemática.

No Brasil, a olimpíada é organizada pela Rede POC – Rede do Programa de Olimpíadas do Conhecimento  com apoio do CONSED – Conselho Nacional de Secretários da Educação, da Universidade Metodista de São Paulo, do Consulado Geral da França em São Paulo e do CENPEC – Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária, instituição ligada à Fundação Itaú Social.

 

Veja todos os resultados no link:

http://www.matematicasemfronteiras.org/resultados.html

As escolas interessadas em solicitar medalhas podem fazer seu pedido pelo link:

http://www.matematicasemfronteiras.org/medalha.html

A data limite para solicitação de medalhas é 27 de junho!

 

Mais informações: (11) 4044.5335 – WhatsApp (11) 94250.2357 – secretaria@redepoc.com

 

Fonte: AssCom  Rede POC

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Resultado da Olimpíada Internacional Matemática sem Fronteiras – Confira no site!

609c982b-f2ed-45d9-8291-030de939ee71

Protegido: Certificados

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Rede POC é parceira da 4ª Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas Técnicas (FEBRAT) – Inscreva-se!

61Em 2016 acontecerá a 4ª Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas Técnicas (FEBRAT) nos dias 17, 18, 19 e 20 de Outubro, nos turnos da manhã e tarde no Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A IV FEBRAT – Feira Brasileira de Colégios de Aplicação e Escolas Técnicas – é um projeto apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica (SEB), Ministério de Ciências e Tecnologia (MCT), Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (SECIS), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), implantado pela UFMG em âmbito nacional.

As inscrições já estão de abertas e vão até o dia 07 de Agosto. Alunos do ensino fundamental e médio podem inscrever seus projetos nas seguintes categorias: 1) Ciências Agrárias, 2) Ciências Biológicas, 3) Ciências Exatas e da Terra, 4) Ciências Humanas, 5) Ciências da Saúde, 6) Ciências Sociais Aplicadas, 7) Engenharias, 8) Linguística, Letras e Artes.

Para se inscrever, os participantes deverão preencher a ficha de inscrição com o resumo do trabalho, composto por 150 a 450 palavras, contendo o tema do projeto, o problema a ser investigado, possíveis hipóteses, objetivos, metodologia e resultados esperados. A inscrição só será válida após confirmação por e-mail.

As inscrições podem ser efetuadas pelo site do Museu Ponto (http://museu.cp.ufmg.br/)

1

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Parceria entre o Zootec 2016 e a Rede POC premia o melhor trabalho em 11 áreas da Zootecnia

Zootecnia-50-Anos-Curvas-Degradê_1

Aconteceu nos dias 11, 12 e 13 de maio em Santa Maria – RS o XXVI Congresso Brasileiro de Zootecnia – ZOOTEC 2016, comemorativo aos 50 anos da Zootecnia no Brasil organizado pelas Universidades Federais de Santa Maria – UFSM (Campi de Santa Maria e de Palmeira das Missões), do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Pampa (UNIPAMPA) e de Pelotas (UFPel); os Institutos Federais Farroupilha (Campus de Alegrete) e do Rio Grande do Sul(Campus de Sertão) e a Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ).

13164350_1142701042417268_6298875339062117601_n

O evento contou com 1.066 congressistas e 861 resumos aprovados e divididos em 11 áreas de submissão.

13240688_1716888961917619_7703767069075080280_n

Resultante da parceria entre a Rede POC – National Organizer Oficial do LIYSF no Brasil- e o ZOOTEC 2016, um resumo de cada área foi selecionado pela Comissão Científica, considerando a originalidade, a inovação e a aplicabilidade e todos os integrantes do trabalho premiado receberam uma credencial para integrar a delegação brasileira ao LIYSF 2016 – London International Youth Science Forum a se realizar de 27 de julho a 10 de agosto de 2016 no Imperial College, Londres, Reino Unido.

13177605_1716323008640881_2389554837979763009_n13177322_1716323995307449_6603416050775542717_nApresentação dos pôsteres no dia 12 de maio.

O LIYSF é o maior e mais prestigioso fórum científico juvenil organizado no mundo. Foi idealizado em 1959 pelo Imperial College – a 3ª maior universidade do Reino Unido e uma das melhores do mundo – para promover o interesse dos jovens de todo o mundo pela ciência. O evento ocorre na sede do Imperial College, e reúne anualmente 450 dos estudantes de mais de 65 países.

Abaixo segue a lista dos trabalhos premiados em cada uma das áreas:

Área 1: Animais silvestres, exóticos e de companhia

Diferentes Desinfetantes sobre a Contaminação e Desempenho da Incubação de Ovos de Avestruz

AUTORES: Nadia Nobrega Valdo, Felipe Cesar Bacarin, Isadora de Souza e Silva,  Leandro Lazari, Matheus Montanari, Murilo Souza Redivo, Lilian Francisco, Arantes de Souza, Sheila Merlo Garcia

Instituição: Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) – Presidente Prudente, São Paulo

Área 2: Apicultura

Efeito da adição de enzimas exógenas na sobrevivência das abelhas alimentadas artificialmente

AUTORES: Marcos Venâncio Lima, Kilmer Oliveira Soares, Ana Isaura Brito, Lyra Correia Lima, Ricardo dos Santos Monteiro, Anderson Antônio Ferreira da Silva, José Luiz do Nascimento Júnior, Joaci Lucena da Silva Filho, Adriana Evangelista-Rodrigues

Universidade Federal da Paraíba – Campus de Areia

Área 3: Aquicultura

Morfometria dos túbulos epatopancreáticos do camarão de água doce ‘Macrobrachium rosenbergii’ (De Man, 1879)

AUTORES: Marcos Antônio Sinésio da Silva, Marino Eugênio de Almeida Neto, Eudes Fernando Alves da Silva, Bianca de Oliveira Ramiro, Iana Talita Fernandes Santos, Ricardo Romão Guerra

Universidade Federal da Paraíba (UFPB) – Campus de Areia

Área 4: Ambiência, bem-estar animal e zootecnia de precisão

Enriquecimento ambiental para redução de estresse em leitões na fase de creche

AUTORES: Eli Aparecida Rosa de Oliveira, Cheila Roberta Lehnen, Francielli Aparecida Sieklicki, João Otávio Hilgemberg, Lidiane Pescke Pereira, Fernanda Maria Denck, Pedro Augusto Galiotto Miranda,

Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) – Ponta Grossa (PR)

Área 5: Ensino e extensão

Assistência técnica na pecuária leiteira de sertão/RS: desafios e oportunidades

AUTORES: Leandro Sabei, Tiago Alexandre Spolti de Nardi, Raquel Breitenbach, Frederico Trindade, Rosangela Poletto

Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) – Campus Sertão

Área 6: Forragicultura e pastagens

Distribuição vertical dos componentes morfológicos e botânicos dosséis de pastos com consorciados

AUTORES: Fernanda Pereira, Pedro Vergani Puntel Garcia, Juliana de Cássia Pereira, Igor Machado Ferreira, Iury Augusto de Freitas Cruvinel, Michael David Batista Luaemar de Oliveira, Fernanda de Kássia Gomes, Daniel Rume Casagrande

Universidade Federal de Lavras (UFLA) – Minas Gerais

Área 7: Gestão e Agronegócio

Avaliação bio econômica de diferentes modelos de produção agropecuária no município de Dom Pedrito: uma simulação

AUTORES: Miguel Alves Ferreira Neto, William Madeira de Quadros, Amaury Garcia Moreira dos Santos, Guilherme Joner, José Vitor Vieira Isola, José Acélio Silveira da Fontoura Junior, Etiane Caldeira Skrebsky, Nelson Rubens de Melo Balverde

Universidade Federal do Pampa (Unipampa) – Dom Pedrito

Área 8: Integração lavoura-pecuária e sustentabilidade

Estudos de variáveis comportamentais de novilhas de corte em sistemas integrados de produção agropecuária

AUTORES: Claudio Guilherme de Matos Porto, José Luis Moletta, Laise da Silveira Pontes, Vanderley Porfírio da Silva, Miquéias Michetti,

Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) – Embrapa/Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Área 9: Melhoramento genético e reprodução animal

Distribuição espacial dos valores genéticos e confiabilidade do gado Girolando do Brasil

AUTORES: Nathália Silva da Costa , João Batista Gonçalves Costa Junior, Renato Fontes Guimarães, Marcos Vinicius Gualberto Barbosa da Silva, Paulo Ricardo Martins Lima, Luiza Seixas, Vanessa Peripolli, Concepta Margaret McManus Pimentel

Universidade de Brasília (UnB)/Embrapa – Brasília, Distrito Federal

Área 10: Produção e nutrição de não-ruminantes

Análise de componentes principais em caraterísticas de qualidade de ovos de matrizes de codornas de corte

AUTORES: Darilene Ursula Tyska, Nelson José Laurino Dionello, Gil Carlos Rodrigues Medeiros, Ariane Gonçalves Gotuzzo, Raquel Pillon Della-Flora, Jerusa Germano, Luiz Virgílio de Assumpção Xavier Filho, Mário De Assis Brasil Borchardt

Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) – Pelotas, Rio Grande do Sul

Área 11: Produção e nutrição de ruminantes

Identificação de raças bovinas criadas no Brasil por meio de morfometria cuticular de pelos guarda

AUTORES: Gisele Aparecida Felix, Maria Clorinda Soares Fioranti, Marcelo Corrêa da Silva, Maria Ivete de Moura, Martino Cassandro, Nicola Tormen, Urbano Gomes Pinto de Abreu, Ubiratan Piovezan

Universidade Federal de Goiás (UFG) – Goiânia

Fotos dos ganhadores premiados (ou representantes) recebendo a credencial durante o encerramento do evento:

IMG_1925-1038x692 IMG_1934-1038x692 IMG_1935-1038x692 IMG_1948-1038x692 IMG_1950-1038x692 IMG_1959-1038x692 IMG_1967-1038x692 IMG_1970-1038x692 IMG_1974-1038x692 IMG_1977-1038x692 IMG_1983-1038x692

Ressalta-se que a credencial dá direito à participação das atividades do Fórum bem como a apresentação do seu trabalho (em idioma inglês) em formato pôster no The Science Forum Bazaar – Student Project Poster Board Evening. A credencial garante apenas a vaga no evento para todos os integrantes e convidados do projeto (diretores, coordenadores e autoridades), devendo os integrantes providenciar o pagamento das taxas de inscrição, documentação dos participantes e passagens aéreas de ida e volta até Londres, Reino Unido. A credencial é válida para participação nas edições 2016 e 2017 do LIYSF conforme conveniência do premiado.

Para receber a carta-convite oficial e as orientações de participação, cada integrante dos trabalhos premiados deve preencher até 25 de maio de 2016 o formulário de inscrição no site: www.redepoc.com/jovensinovadores, citando que foi premiado para o LIYSF no ZOOTEC 2016 . Para o esclarecimento de qualquer dúvida relativa ao LIYSF ou a premiação, entrar em contato diretamente com a Rede POC.

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Relato de participação na I Feria Internacional UNASUR 2016 – Lucas Schonhalz

1Fiquei honrado por ter sido contemplado com uma participação de uma feira no exterior, na qual representei não só a Escola Técnica Celeste Gobbato como o Brasil. Nunca tive a oportunidade de sair tanto do estado como do país. E como participei de outras feiras regionais, estaduais e até internacionais como a Mostratec, foi uma grande experiência participar de um evento grandioso como este em Manizales na Colômbia, onde mostrei o conhecimento abordado durante a pesquisa e um pouco da nossa cultura gaúcha em uma noite cultural que teve no decorrer da feira.

2

Foi uma oportunidade única que tive, pois além de conhecer mais um pouco do Brasil, obtive outras experiências que jamais imaginei que poderiam ocorrer, como andar de avião, conhecer a cultura dos países da América do Sul, alguns pontos turísticos em São Paulo e na Colômbia. Em São Paulo fiquei somente um dia no qual conheci a famosa Avenida Paulista e alguns locais próximos de onde estávamos hospedados. Em Bogotá tive o privilégio de conhecer o Museu de Ouro, o qual tem uma estrutura muito bela com inúmeras imagens encantadoras, e fui ao Monserrate um morro de literalmente tirar o folego.

3

O local onde ocorreu o evento se localizava em uma área de preservação com lindas paisagens, que recebeu o apoio da prefeitura de Manizales. A feira foi muito bem organizada e os coordenadores demonstraram máxima dedicação, sem medir esforços para nada ocorrer errado. Sua estrutura era de alto nível, oferecendo refeições de ótima qualidade e típicas do país. Por ser na Colômbia, cuja língua oficial é espanhol, tivemos um pouco de dificuldade na comunicação dominando somente o básico da língua. Tive também que apresentar o respectivo trabalho em espanhol, repassando a preocupação com o meio ambiente e com a biodiversidade.

4

Pude perceber que a Colômbia é um país proveniente do ramo cafeteiro, onde se tem um dos melhores cafés que já provei. Sobrevoei Pereira cidade próxima ao local do evento onde observei algumas fazendas de café. Bogotá, capital da Colômbia, é uma cidade turística e imaginei que seria um pouco suja e sem fiscalização. Entretanto encontrei pelo menos duas pessoas em cada esquina fazendo a limpeza das ruas e um guarda fazendo vigilância.

5

Dessa forma, gostaria de fazer um agradecimento especial a UNASUR, à Rede POC e a todas as pessoas que me apoiaram tanto na realização do projeto como na viagem, pois há uma grande diferença em fazer as coisas sozinhos e com o auxílio de pessoas que nos apoiam e nos ajudam a fazer dar certo.

Depoimento de Lucas Schonhalz, estudante do curso Técnico em Agropecuária da Escola Estadual Técnica Celeste Gobbato – Centro Estadual de Educação Profissional.

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Participação no Edinburgh International Youth Science Forum 2016 Depoimento de Cleiton Luís Boufleuher – autor do Projeto Dioclea

1

 

Acreditar que tu consegue é a melhor forma para que aconteça de verdade.

Você vai participar de uma feira na Escócia com seu projeto??

2

Mas antes de falar dessa incrível experiência vou apenas dar um breve resumo dos diferentes tipos de eventos que existe. O Edinburgh International Science Festival (EISF), como já diz no nome é um festival de ciência e tecnologia.

Mas o que difere um festival de um congresso ou simpósio??

3

Simpósio ocorre a apresentação de projetos com temas em específico, existe um tempo determinado de exposição e uma plateia, o congresso é interligado com feiras, exposições e socialização com demais participantes e já um Festival possui apresentações previamente selecionadas que visam a propaganda e promoção do projeto, é o que o Projeto Dioclea fez na capital da Escócia.

Mas de que forma uma propaganda e promoção pode ajudar um projeto de pesquisa científica?

Essa é uma pergunta que escuto muito e sabem de uma coisa?

Adoro responder ela.

Vocês já devem estar cansados de ouvir que sozinhos não fazemos muita coisa, que pensar que podemos realizar tudo sem pedir ajuda a alguém não é possível. Digo para vocês que isso é verdade, principalmente no mundo da ciência. Seria muita ignorância da parte de um pesquisador não buscar apoio em instituições mais renomadas e profissionais com renome para auxiliar na criação de um projeto, um projeto que pode impactar na vida de pessoas. Eis a importância da propaganda e promoção de ideias, e por isso o Projeto Dioclea apresentou o seu trabalho em um festival (pela primeira vez).

4

Expandir a rede de contatos é a melhor forma de buscar novas oportunidade de crescimento para o projeto e para o pesquisador envolvido. Além de criar uma Networking que pode estar conectado com você a toda hora e com a possibilidade de abrir novas oportunidades.

O Festival da Escócia foi isso, a abertura de oportunidades e o contato com pessoas incríveis, além de um Feedback super positivo para a pesquisa que faço. O EISF me mostrou mais possibilidades, me mostrou mais formas de como impactar na sociedade e me mostrou que tenho muito trabalho para fazer por aqui.

5

Pois afinal meu objetivo é desenvolver esse país e nada melhor que buscar novidades e trazê-las para implantar por aqui. Acredito que com a possibilidade de conhecer o novo e experimentar algo que deu certo é a melhor forma de termos ideias para implantarmos onde vivemos. Afinal é preciso pensar grande, agir localmente, influenciar muitas pessoas para que aos poucos possamos impactar mundialmente.

Algumas pessoas me perguntaram sobre as tantas fotos que tirei da cidade e não do evento. Tenho que dizer que do evento me preocupei mais em participar ativamente das atividades, palestras e apresentar com todo o amor o meu trabalho e larguei de mão da câmera para viver o momento de aprendizado.

Afinal o evento proporcionou palestras com doutores renomados da Universidade de Edimburgo e outros grandes centros de estudo escoceses. Das palestras que participei tem duas que chamaram muita a minha atenção, pois trouxe ideias aplicáveis. Uma voltada para o incentivo a ciência (o que já venho trabalhando em escolas públicas aqui do sul) e a outra “Water the Elixir of life”, trouxe uma nova visão de resolver problemas relacionadas a água. Além de que o festival me fez estar em contato com diversas pessoas da sociedade escocesa e as mesmas souberam contribuir e indicar centros e profissionais que atuam na área do meu projeto (quem sabe não rola parcerias uhuuu).

6

Mas entre palestras, apresentações e exposições passar pela cidade era inevitável (aliás Edimburgo é uma cidade para se caminhar, por ser pequena te proporciona a facilidade de chegar rapidamente nos locais), como amante da fotografia (sim eu sei preciso treinar mais rsrsr) e como eu seu apreciar o que é belo foi inevitável não me apaixonar pela cidade, sua arquitetura e a gente boa que habita nela.

7

A cidade nasceu e se desenvolveu pela Royal Mile (Milha real) e a minha paixão por Edimburgo nasce ali mesmo. Local onde fazer amizades parece tão fácil, local para se encantar com o artista de rua e trocar informações com gente do mundo todo, de sentar na calçada e se deliciar com o famoso “Fish & Chips” e apreciar uma cidade histórica, cheia de cultura que ao primeiro olhar te faz imaginar num cenário de filme, as vezes misterioso e as outras vezes apaixonante.

8

Agora tenho só mais uma coisa a dizer.

Edimburgo te vejo num futuro próximo.

(Mestrado talvez rsrsrsr)

9

Quem Sou Eu?

Estudante de Engenharia Química.  Atuo como jovem pesquisador desde o curso técnico, desenvolvendo o Projeto Dioclea que visa a viabilidade de um tratamento de fitoterápico para pessoas com doenças neurodegenerativas. Represento o país em eventos nacionais e internacionais e já atuei como diretor de projetos da ABRITEC (Associação Brasileira de Incentivo a Tecnologia e Ciência). Atualmente sou presidente do Rotaract Club de Dois Irmãos e integrante de projetos de empreendedorismo no Rio Grande do Sul. Abri meu próprio microempreendimento no setor de essências para ambientes e trabalho utilizando conceitos do Design Thinking e acredito que no coletivo impactamos melhor e mais forte de forma positiva.

10

facebook.com/cleitonluis.boufleuher

Minha Pesquisa.

Diversas enfermidades podem ser causadas devido a desordens neurológicas, bem como a neurodegeneração progressiva do sistema nervoso central (SNC). O uso de plantas medicinais, extratos vegetais e derivados de produtos naturais vem resistindo à passagem do tempo e acompanhado o desenvolvimento dos povos, para o tratamento de várias doenças. Uma das espécies vegetais, muito explorada na medicina popular, porém pouco estudada cientificamente, é a Dioclea violacea. Trata-se de uma planta trepadeira pertencente da família Leguminosae, nativa do Rio Grande do Sul, distribuída principalmente em locais úmidos. Popularmente é conhecida como olho-de-boi ou coronha, castanha, a qual é utilizada para diversas finalidades terapêuticas, como o controle de crises de epilepsias e o tratamento do mal de Parkinson. Sendo assim o projeto desenvolve um tratamento fitoterápico para pessoas com doenças neurodegenerativas.

 facebook.com/projetodioclea

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Uma incrível troca de experiências – Relato de participação na I Feria Internacional UNASUR 2016

1

Quanta honra! Sempre quis muito participar de uma feira internacional de ciência fora do País, mas me parecia algo um tanto distante, até meu irmão me mandar um e-mail dizendo que havia aberto inscrições para um encontro de jovens na Colômbia. Com o prazo quase esgotado fiz a inscrição.  Já desacreditado e com pouca esperança, depois de algum tempo recebi a notícia que tínhamos sido classificados para representar o Brasil na ‘’I FERIA Y ENCUENTRO INTERNACIONAL DE AVANCES, DESARROLLOS Y EXPERIENCIAS SIGNIFICATIVAS EN CIENCIA, TECNOLOGIA E INNOVACIÓN DE UNASUR – UNIÓN DE NACIONES SURAMERICANAS (FERIA INTERNACIONAL UNASUR 2016)’’

2

Quando recebi a notícia que havia sido selecionado fiquei felicíssimo, mas quando realmente tive o prazer da participação, fiquei encantado. Representar meu País em feira internacional sempre foi algo que muito almejei, sabia que seria incrível, mas a participação superou toda e qualquer expectativa.

Conviver uma semana com pessoas de outros países sempre é uma experiência fantástica, mas fazer isso em outro país e somente com pessoas que não falam minha língua é simplesmente indescritível.

Falar do assunto ‘’preservação da biodiversidade’’ sempre foi uma coisa que muito me chamou a atenção. Tratar disso, com pessoas de distintos países em uma estrutura como foi o Encontro, em um ambiente rico em biodiversidade é realmente fantástico.

3

Foram cinco dias de muito ‘’cambio’’ de culturas, experiências e conhecimentos. Digo que a cada feira que eu participo, cresço um pouco mais, como pessoa e como pesquisador.

Como diz o bom e velho ditado, ‘’tudo na vida tem um porque’’, e se hoje já representei meu País em uma feira internacional é porque teve pessoas que colaboraram para que isso acontecesse. Tudo parte do interesse do aluno pesquisador, da vontade de mudar o mundo e da curiosidade de descobrir como fazer. Mas é fundamental enfatizar a importância dos orientadores, por exemplo, que desde o princípio, quando se decidiu o que iríamos pesquisar até um dia antes da viagem, estavam à disposição para tirar dúvidas, ajudar a enriquecer o projeto e fazer o necessário para que tudo desse certo. Para pessoas como essas que dedico o prêmio ‘’destaque’’ recebido na feira.

4

Como se não bastasse todas as alegrias e construções pessoais como já citei, que a feira proporcionou, ainda fomos premiados como um dos ‘’trabalhos destaques em sustentabilidade’’ do encontro. E como costumo dizer, interpreto a premiação restritamente como reconhecimento, e não como motivação para seguir pesquisando, porque o combustível para o último, é o amor pela pesquisa e, acima de tudo, a vontade de ajudar o mundo a resolver seus problemas ambientais que particularmente, interpreto como um problema que também é meu e como uma responsabilidade que também é minha.

Quando lembro a ida para à Colômbia, sem sombra de dúvidas, só vêm lembranças ótimas em mente. Foi realmente uma experiência única e inesquecível, e utilizo esse espaço para voltar a agradecer quem de uma forma ou outra contribuiu para que esse sonho se realizasse.

5

Sempre que me pedirem qual foi a melhor experiência de minha vida, com muita convicção direi que foi a semana que passei na Colômbia. E se me perguntarem o segredo para que tudo isso aconteça, direi-lhes que é o mesmo para a realização de qualquer outro sonho: vontade de realizar em conjunto com o trabalho incansável para que isso aconteça, porque a diferença entre o que só sonha e o que realiza o sonho, está no empenho dedicado para realizá-lo. Empenhe-se!

Relato de Jardel Menegazzi Conceição, estudante do curso Técnico em Agropecuária da Escola Estadual Técnica Celeste Gobbato – Centro Estadual de Educação Profissional.

Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                     Graduando em Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria   Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br