Estudantes da Escola Estadual de Educação Profissional Rita Matos Luna – Jucás – CE – apresentam seu projeto de pesquisa no Edinburgh International Science Festival na Escócia

Os estudantes José Alysson Silva dos Santos e José Batista de Sousa Junior, orientados pelo Prof. Paulo Helder Gonçalves Rodrigues, desenvolveram o projeto: I see: Piso Tatil Eletrônico para auxiliar o descolamento de deficientes visuais em ambientes internos, na Escola Estadual de Educação Profissional Rita Matos Luna – Jucás – CE

O projeto foi avaliado pela Rede POC durante o CE CIENTÍFICO e então selecionado para compor o time que representará o Brasil na Escócia.

Mini Maker Faire é uma das inúmeras atividades do Edinburgh International Science Festival (EISF), que é um dos mais prestigiosos e tradicionais festivais científicos do mundo e o maior da Europa. Foi criado em 1989 com o objetivo de mostrar as belezas da Ciência e sua importância para nossa vida. O evento é uma iniciativa da Edinburgh International Science Festival Foundation com apoio da Prefeitura de Edinburgh, do Governo Escocês, da Universidade de Edinburgh, da Royal Academy of Engineering, da Scottish Environment Protection Agency e de várias empresas, fundações e instituições acadêmicas britânicas.

A Mini Maker Faire é um evento ligado à feira mundial Maker Faire, criada em 2006 em San Mateo, Califórnia, USA, para estimular a integração de cientistas, engenheiros, inventores, geeks, artesões, clubes de ciência, artistas, estudantes e representantes de empresas de todas as idades e níveis de escolaridade ou formação num evento para celebrar a criatividade e inventividade.

Em 2013, a MAKER FAIRE celebrou sua 8ª. Edição anual com a participação de 900 “makers” e mais de 120 mil visitantes. E a partir desse ano, foram criadas “Minis” Maker Faires em várias cidades do mundo: Detroit, Edinburgh, Kansas City, Newcastle (UK), Roma e Tóquio. A Edinburgh Mini Maker Faire de 2018 espera receber mais de 100 projetos e mais de 5 mil visitantes.

A Escócia além de ser famosa pelas suas tradições, pelo monstro do Lago Ness e pelo seu whisky, também é reconhecida mundialmente pela sua tradição em Ciência e Tecnologia. Entre inúmeros fatos, podemos lembrar que toda a tecnologia moderna é baseada na Teoria Eletromagnética desenvolvida por James Maxwell, o pioneirismo na biotecnologia com a clonagem da ovelha Dolly e o Prêmio Nobel de Física de 2013 para Peter Higgs por sua teoria que levou à descoberta de uma nova partícula elementar, concluindo uma das maiores buscas recentes da Ciência mundial.

Além disso, a Escócia é o país dos festivais, com mais de 300 eventos programados para o ano de 2018 – de Música a Ciência! E Edinburgh concentra os mais importantes, entre eles, o Edinburgh International Science Festival.

A programação é constituída de palestras, oficinas, shows, filmes, performances e exposições que ocorrem das 8h às 22h distribuídas em vários locais: City Art Centre, St Andrew Square, the Royal Botanical Gardens, National Museum of Scotland, Edinburgh Zoo, George Square Theatre e em vários museus e pontos importantes da cidade.

A Mini Maker Faire acontecerá de 10 a 15 de abril e o Brasil terá a participação de 7 instituições, de 5 estados (BA, CE, MG, RS, SP), 23 integrantes, sendo 9 professores/acompanhantes e 14 estudantes.

Os acompanhe pelo Facebook: https://www.facebook.com/THEISEE 

Conheça o projeto:

Visando a acessibilidade para deficientes visuais, foi criado o projeto “I SEE:PISO TATIL ELETRÔNICO PARA AUXILIAR O DESLOCAMENTO DE DEFICIENTES VISUAIS EM AMBIENTES INTERNOS”, que se utiliza de conceitos de Robótica, Inclusão social e Reciclagem para promover a mobilidade de cegos em ambientes internos. Ao chegar no ambiente que possui o sistema, o deficiente se conecta à unidade de controle. Em seguida, pressionando um botão na tela de um aplicativo desenvolvido para auxiliar os referidos, o deficiente solicita os locais disponíveis no ambiente. De posse dessa informação, o mesmo requere o local desejado. A partir deste momento o usuário é guiado por comandos de voz até o local requisitado. O projeto foi desenvolvido visando solucionar as necessidades descritas pelos próprios deficientes, que atestaram a sua eficiência durante os testes preliminares, gerando resultados promissores. O projeto mostra-se de grande importância para a sociedade, pois promove uma maior mobilidade para o público alvo, além de preocupar-se com o meio ambiente ao utilizar material reciclável na produção das placas e central de controle.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Zootecnista pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM                               Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *