Minha impressão do Equador – Participação no Encuentro latinoamericano de proyectos productivos, ciencia, tecnología e innovación

O desenvolvimento do nosso projeto teve início em 2018, quando fui convidado pelo meu professor de programação Paulo Henrique Rodrigues para participar juntamente com meu colega Gabriel Keven Domingues de Souza no projeto de iniciação científica (PIBIC-JR).

Ao ser convidado para tal projeto, fiquei muito entusiasmado pois vi nele uma grande oportunidade de crescer profissionalmente e pessoalmente. E assim aconteceu, nosso professor orientador (Paulo) levou nossos conhecimentos técnicos para um outro nível com seus ensinamentos.

Começamos a nos encontrar semanalmente após a aula e inicialmente discutimos a nossa “dor”, a falta de um sistema eficaz que facilitasse o acesso a biblioteca. Procuramos ajuda para entender mais sobre como funcionava a biblioteca, entramos em contato com a gestora responsável pelas bibliotecas, que foi de imensa importância no nosso projeto. E assim desenvolvemos nosso produto final, um software que oferece a gestão eficiente e eficaz dos acervos bibliográficos.

 

Tela inicial do sistema no perfil bibliotecário.

A viagem

Nossa viagem começou no dia 22 de abril, às 14:00 horas pegamos um ônibus de BH para São Paulo, onde chegamos por volta das 22:00 horas porem nosso voo só saiu as 3:00 horas, fizemos uma escala no Panamá e por fim chegamos a Quito as 15:30.

No nosso primeiro dia no Equador, aproveitamos para conhecer o centro histórico de Quito e fazer compras. As construções mais antigas me impressionaram com sua arquitetura e me lembrou um pouco a cidade de Ouro Preto – MG. Durante nossa visita ao centro histórico comecei a perceber uma diferença entre o Brasil e nosso vizinho Equador, o frio, com o entardecer e uma chuva fininha que caia a temperatura começou a esfriar, mas nada que impedisse nosso passeio.

Foto no centro histórico de Quito.

No dia seguinte saímos bem cedo, às 4:00 da manhã, para irmos até a cidade de Ambato, cidade onde ocorreria a feira. Apesar de muito frio o percurso

correu bem e logo estávamos tomando café da manhã no hotel, onde tivemos tempo para conhecer melhor o resto da delegação brasileira presente no evento.

Todas as pessoas, desde os organizadores do evento até os nativos se mostraram muito simpáticos. Estavam sempre prontos para ajudar com tudo que precisamos, fiz muitos amigos, pessoas maravilhosas que nos acompanharam durante a viagem.

Ao amanhecer fomos a Universidad Técnica de Ambato para a feira. Lá assistimos a diversas palestras e apresentamos nosso projeto. Durante nossa apresentação nos deparamos com um grande obstáculo o idioma. Já que nenhum de nós tínhamos o domínio do espanhol, fomos obrigados a recorrer a outras maneiras de nos comunicar, tais como gestos e frases prontas que traduzimos pela internet. Durante a feira percebi um ponto negativo (fica aqui uma dica para as próximas edições). Não tivemos tempo para visitar os demais stands, o que me decepcionou um pouco.

Terminada a feira, no dia seguinte fizemos um city tour. Fomos a Baños, foi um passeio sensacional. Conhecemos o Pailon del Diablo uma grade queda d’agua. Durante o city tour tivemos a oportunidade de interagir entre nós e com as delegações de vários outros países, os mais corajosos foram cantar. Mas eu preferi ficar de fora dessa kkk.

No nosso ultimo dia no Equador retornamos a Quito e fizemos um city tour por lá também. Tivemos a chance de conhecer a Mitad del Mundo local exato onde passa a linha do Equador, mas não é só isso que encontramos lá. Na Mitad del Mundo encontramos um museu onde é exposto muito sobre a história e cultura local, além de diversas explicações cientificas sobre a linha do Equador, o que me deixou fascinado. Para fechar a nossa viagem e deixa ainda melhor, fizemos uma ultima parada para conhecer o Vulcão Pichincha , mas para isso foi necessário subirmos 4600 metros de teleférico. A vista do topo compensou todo o esforço e frio, ainda bem que diferente dos meus amigos Gabriel e Paulo eu estava agasalhado kkk.

Foto tirada no alto do vulcão Pichincha. 

Durante a viagem de volta aproveitamos a longa escala no Panamá para visitar o canal do Panamá uma oportunidade única de conhecer essa tão engenhosa construção. Depois já em território nacional foi a vez de reencontrar a família e amigos que me esperavam com uma festa surpresa em casa. A viagem foi perfeita, mas é sempre bom voltar para casa.

Gostaria de agradecer brevemente a todos que me ajudaram e apoiaram desde o convite para participar desse projeto até essa jornada no Equador, mas em especial meus pais, que me deram forças para não desistir do meu objetivo. Agradeço também a toda rede POC e ao Rodrigo e Vinicius que representaram a POC no evento e se tornaram meus amigos.

Pedro Henrique Lacerda Vasconcelos – Fundação de Ensino de Contagem (FUNEC) Contagem – MG.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *