Arquivos da categoria: Geral

Depoimento de Marcelle Santana – 7º Encuentro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovación

Meu nome é Marcelle Nunes de Oliveira Santana, da Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro, em Mateus Leme, MG.

Participei do 7º Encuentro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovación, que ocorreu na cidade de Ambato, Equador, nos dias 25 a 27 de Abril de 2019.

Durante a feira, apresentei um projeto chamado “Adoçante Natural”, realizado por três integrantes: eu (Marcelle), Lavínia Stéfany Ferreira Moreira e Lavínia Cristine Guimarães. No entanto, nesta viagem, participamos somente eu e a Lavínia Stéfany. Nosso projeto teve início no ano de 2018, onde inicialmente, nossas intenções se limitavam a participar da 5ª FECITEC (Feira de Ciências e Tecnologia), feira anual fornecida para alunos da Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro. Desde o início, pretendíamos realizar um projeto que tivesse como foco uma planta medicinal. Cogitamos várias possibilidades de plantas, até que eu dei a ideia de fazermos sobre Stévia, uma planta que só teve seus benefícios descobertos por nós após o início das pesquisas. Durante dois meses, preparamos o projeto para a FECITEC. A feira aconteceu no dia 12 de agosto de 2018.

No dia seguinte teve a premiação, não esperávamos nenhum prêmio, porém, ganhamos um troféu de melhor diário de bordo e cada integrante recebeu um certificado. Individualmente, recebi um troféu e um certificado de Aluno destaque na categoria 6º e 7º anos. Também ganhamos uma credencial para a 19ª UFMG jovem, que ocorreu entre os dias 23 e 25 de outubro de 2018, sendo que lá não fomos premiadas.

No dia 24 de abril de 2019, embarcamos no Aeroporto Internacional de Confins (Belo Horizonte, MG), em um voo com destino à cidade do Panamá. No aeroporto do Panamá, o voo marcado para minha equipe teve um pequeno atraso. Por causa disso nossa equipe encontrou outra equipe do Brasil – os meninos da FUNEC, que estavam indo para o mesmo evento que nós. Ainda no dia 24, chegamos ao Arepuerto Internacional Mariscal Sucre, em Quito, de onde já seguimos para o hotel.

Ficamos hospedados no NU House Boutique Hotel, onde fomos muito bem recepcionados pela equipe de Pernambuco e pelos funcionários do hotel. O hotel em si, era maravilhoso, com quartos extremamente aconchegantes e lindos. Meu quarto tinha uma bela vista para o comércio. Lá pudemos descansar bastante e nos acostumarmos com a diferença de altitude. À noite, durante o jantar em uma pizzaria perto do hotel, pudemos conhecer melhor as outras equipes.

Na manhã do dia seguinte, seguimos para Ambato, onde ficaríamos a maioria dos dias para o evento. Em menos de três horas, já estávamos no Hotel Portugal Vip, aguardando o café da manhã, e recebendo as orientações para os dias seguintes, através do Dr. Vargas. Enquanto esperávamos o café, pudemos conversar, e conhecemos mais uma equipe do Brasil – as meninas do CEFET.

Mais tarde, todos se instalaram em seus devidos quartos, e descansaram para mais tarde, irmos almoçar e seguir para a Universidad técnica de Ambato, para a montagem dos stands dos projetos brasileiros.

No dia seguinte, nós (eu e Lavínia) acordamos cedo, tomamos café e seguimos logo para a feira, onde passamos o dia apresentando o nosso projeto, com intervalos para almoço, e palestras muito instrutivas sobre revolução industrial 4.0. Ao final do dia, houve o encerramento com os organizadores do evento e as premiações. A melhor parte, entretanto, foram as danças dos vários países participantes da feira. Lavínia e eu havíamos preparado uma simples coreografia de Frevo, o que foi muito engraçado e irônico, pois somos mineiras e havia pernambucanos na feira. Após o Frevo, o Brasil complementou com uma quadrilha tradicional, o que confundiu um pouco os outros países, pois eles não entendiam as instruções, apesar de terem achado muito divertido, segundo os costarriquenhos que conhecemos.

Processed with VSCO with preset

Nunca vou esquecer essas amizades que fiz, e talvez nunca entenda como em tão pouco tempo, podemos gostar tanto uns dos outros. Todos que conheci nessa viagem estão guardados em um cantinho especial no meu coração, desde Rodrigo, integrante da Rede POC que nos orientou durante toda a viagem e acabou virando um querido amigo, que nos conquistou com seu humor e carinho, até os pernambucanos, com todas as suas lindas culturas e suas expressões totalmente diferentes das mineiras, e também os mineiros maravilhosos que conheci, com suas histórias e piadas inesquecíveis.

Não posso deixar de citar meus queridos amigos de outros países, que apesar de falarmos línguas tão distantes, aprendemos e ensinamos muito em pouco tempo.

Sempre me lembrarei com carinho de todos os momentos como, por exemplo, o dia que todos nos juntamos na garagem do hotel após o jantar, e ficamos dançando e conversando até muito tarde, apenas “curtindo” com nossos amigos Colombianos, Panamenses, Portorriquenhos, Costarriquenhos, Peruanos e Mexicanos. Ou então o dia que apenas nós brasileiros, ficamos com os meninos da Costa Rica, de quem mais nos aproximamos, apenas brincando e conversando até “altas horas”.

Todas as piadas internas, brincadeiras e aventuras dos passeios, como no vulcão Pechincha, que tivemos que andar abraçados para não “virarmos picolé”, ou em Baños, onde no caminho pudemos aproveitar um karaokê no ônibus recheado com as culturas dos diversos países. Até mesmo na Mitad Del Mundo vimos lhamas e tentamos equilibrar um ovo em um prego, além de comprar várias lembrancinhas dessa viagem inesquecível.

Amei cada momento dessa viagem, e agradeço a Rede POC pela ajuda e atenção. Agradeço também a Vinicius Ramos e a Rodrigo Cortines, pelo auxílio e porque foram fundamentais para nós a todo o momento. Agradeço a todos que estiveram comigo porque todos os momentos foram maravilhosos. Espero poder rever algum dia os amigos que fiz e espero poder realizar muitas mais viagens como esta.

Marcelle Nunes de Oliveira Santana – Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro – Mateus Leme, MG.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Viagem para o Equador através da Rede POC – Depoimento do Aluno Lucas Vinicius

Meu nome é Lucas Vinicius de Souza Barbosa, estive no Equador representando a escola EREM João Bezerra, que se localiza em Recife, PE, no Encuentro Latinoamericano de Proyectos, Productos, Ciência, Tecnologia e Innovación, que aconteceu na cidade de Ambato, Equador.

Apresentei o projeto “Reuso da casca de Sururu de forma sustentável na Brasília Teimosa”. O projeto foi elaborado na escola EREM João Bezerra, pelos professores Jerônimo e Risoneide e alunos da escola. A principal intenção do projeto é diminuir o descarte de casca de Sururu na bacia do Pina, que vem prejudicando a comunidade de várias formas, além da poluição do meio ambiente.

Saímos de Recife no dia 23 de Abril, às 14 horas horário de Brasília, eu (Lucas Vinicius), a professora Risoneide Nunes e a gestora da minha escola. Chegamos na cidade de Quito por volta das 23 horas, horário local. Fomos recebidos por Rodrigo (estagiário da Rede POC) e seguimos para o hotel onde descansamos. No dia seguinte ficamos livres para passear, então aproveitamos para conhecer um pouco da cidade e a culinária local.

As outras delegações brasileiras do estado de Minas Gerais chegaram – primeiro conheci os rapazes FUNEC, Paulo o professor e os alunos Gabriel e Pedro, posteriormente conheci as meninas da cidade de Mateus Leme, as professoras Miranda e Jaqueline e as alunas Marcelle e Lavínia. E depois fomos ao centro histórico de Quito, junto com Vinicius, Rodrigo e os rapazes do outro grupo. Foi bem legal conhecer o centro histórico, aprendi um pouco da história do Equador por meio de um taxista e pude ver grandes igrejas e, também o palácio presidencial do Presidente do Equador. À noite fomos todos juntos à pizzaria e lá conseguimos nos enturmar bastante. No final da noite conheci as meninas do CEFET, Maria, Fernanda e Laura que chegaram por último.

No dia 25 partimos às 4 horas da manhã, para a cidade de Ambato onde aconteceria a feira. Ao chegarmos no hotel por volta das 7 horas da manhã, tomamos café da manhã e conversamos com um dos idealizadores da feira. Em seguida, ensaiamos a apresentação cultural que faríamos na feira, e depois fomos conhecer um shopping próximo ao hotel. Na volta conheci e conversei os garotos de Porto Rico.

Depois fomos almoçar num restaurante de comidas típicas onde experimentamos mais um pouco da culinária local. À tarde fomos a UTA (Universidade Técnica de Ambato) para montarmos os estandes. Depois voltamos para o hotel para jantar.

No dia seguinte fomos cedo tomar café e partimos para a UTA para as apresentações na feira. Eu estava um pouco nervoso, pois não sabia falar espanhol e só tinha estudado dois dias a apresentação, mas consegui apresentar muito bem, até recebi elogios das pessoas pelo meu espanhol. Entre as apresentações que fui fazendo, fui aprimorando a fala e a partir da terceira apresentação consegui apresentar perfeitamente segundo a jurada. Depois que acabaram as apresentações, começou o encerramento, onde realizei junto com os outros brasileiros a apresentação cultural – a quadrilha junina. E logo após as apresentações todas as delegações tiraram fotos e se cumprimentram.

No outro dia fizemos um passeio incrível, fomos a cidade Baños, e fomos conhecendo melhor os outros grupos com os quais fiz uma amizade incrível. A região tem uma beleza incrível, visitamos duas cachoeiras e foi muito mágico. Infelizmente um dos lugares programados ficou inacessível pois estava chovendo muito.

Após esse passeio voltamos para o hotel em Ambato e lá fiquei conversando com os garotos da Costa Rica, Anderson e Joel, que viraram meus novos melhores amigos estrangeiros. Além desse passeio visitamos também alguns lugares na cidade de Ambato, visitamos o “Parque dos enamorados”, onde tirei fotos com os estrangeiros fazendo poses medonhas, foi bem engraçado.

O último dia foi incrível, todos os participantes do evento se reuniram no hotel e ficamos dançando, conversando por horas e horas, fiz amizade com todos os alunos dos outros países, alguns em especial como Rachelin e Andrea do Panamá, Nycoll e Jésus da Colômbia, Luisa e Malany do Perú e claro Anderson e Joel da Costa Rica. Quando as outras pessoas que estavam no outro hotel foram embora eu, a Marcelle, o Andreson, o Joel, a Maria, a Laura e o Rodrigo ficamos no quarto dos meninos conversando até a madrugada, brincando e ensinando coisas do Brasil para os meninos foi um momento legal e de aprender as diferenças de países que são do mesmo continente.

No outro dia fomos de volta para Quito onde fizemos um último passeio, visitamos a metade do mundo, também conhecida como latitude zero. Depois fomos ao vulcão Pichincha, onde ficamos a mais de 4 mil metros de altitude, foi um dos melhores momentos entre nós, pois sabíamos que será difícil nos vermos novamente, então aproveitamos bastante tirando fotos de tudo para não perdemos um só momento.

Foi incrível a viagem, não poderia imaginar algo tão incrível quanto foi. Nunca vou esquecer esses dias e as amizades que fiz, os lugares que visitei e tenho certeza que fiz amigos verdadeiros, agradeço a Rede POC por nós auxiliar em tudo, especialmente ao Vinicius e ao Rodrigo que foram incríveis durante esses dias nos ajudando com tudo, foram além de bons profissionais também bons amigos.

Lucas Vinicius de Souza Barbosa – Escola EREM João Bezerra – Recife, PE


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Depoimento de Lavínia Moreira – O Encontro Latinoamericano de Projetos Produtivos, Ciência, Tecnologia e Inovação – Equador

Meu nome é Lavínia Stéfany Ferreira Moreira, estudo na Escola Estadual Domingos Justino Ribeiro, em Mateus Leme, MG.

A feira me abriu um novo olhar – um olhar de conhecimento, conheci novas culturas e percebi que se nós continuarmos persistindo o futuro será melhor. Todos os projetos foram bem desenvolvidos e merecem parabéns.

O nosso projeto “Adoçante Natural”, explica sobre a planta Stévia que têm propriedades adoçantes. Nosso objetivo é mostrar para as pessoas uma forma mais saudável de comer e beber o que gostam, ajudar a controlar doenças como o diabetes, a hipertensão e obesidade, além de combater vícios como o fumo e o alcoolismo.

Agradeço a todos que me apoiaram. E aconselho que não desistam nunca, se aparecerem barreiras levantem a cabeça e persistam até alcançar seus objetivos.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

“O mundo é tudo o que você puder conquistar.” – Depoimento de Laura Simões

 

Quem diria que um simples trabalho de escola me levaria para fora do país e me proporcionaria uma das melhores experiências da vida. Tudo começou com a seguinte frase da professora: “Alunos! O trabalho desse bimestre vai ser sobre plantas medicinais, vocês terão que escolher uma planta e realizar testes para avaliar propriedades presentes nelas.”

Nosso projeto se iniciou em 2017 como um trabalho de sala para ganhar pontos em um bimestre, mas, ao decorrer dos experimentos e dos resultados que obtivemos, nossa professora nos ofereceu a oportunidade de continuar a trabalhar nele no ano seguinte. E foi justamente nesse ano que participamos de feiras como a META e a FEBRAT, na qual expomos nosso trabalho que trata da Influência da Petiveria alliacea na reprodução celular de células vegetais. A experiência foi incrível.

Foi com esse projeto que recebemos o convite para participar do evento no Equador. No início não acreditei muito, na real só fui acreditar de fato no momento em que sai do aeroporto de Quito, quando entrei no Uber que nos levaria ao hotel. Dentro daquele carro tocava uma música e o motorista cantava junto, parecia ser um “Hit”, mas eu não a conhecia. Foi uma situação comum de ocorrer no cotidiano, mas aquela música e aquele cara falavam em outro idioma, e pela janela observava paisagens comuns a qualquer cidade, mas diferente de todas as que já tinha conhecido. Foi nesse momento que percebi que realmente estava em outro país, e tudo, de fato, estava acontecendo.

O dia mais incrível dessa viagem com certeza foi o dia da feira. O Encontro Latinoamericano de Projetos Produtivos, Ciência, Tecnologia e Inovação foi a maior experiência que já vivi. Foi incrível ver tantas pessoas de vários lugares da América Latina unidas em prol da ciência. Com certeza foi um imenso desafio apresentar um projeto científico para pessoas que falavam outra língua, mas o interesse que elas demonstravam e o carinho com que nos tratavam, favoreceram nossa comunicação. As lembranças e sentimentos vividos nesse dia possuem um enorme valor para mim e sempre recordarei desses momentos com muito orgulho e carinho.

A interação que tivemos com as pessoas dos outros países e com a própria delegação do Brasil foi sensacional, foram muitos momentos de alegria e risadas nas confraternizações no Hotel e principalmente nos passeios.

Cada lugar diferente que conhecíamos era uma enxurrada de novos sentimentos vividos, é impossível não ficar encantada com as cachoeiras, os vulcões, parques e praças do Equador, e é claro a “Mitad Del Mundo”, que foi um dos lugares mais esperados para visitar na viagem.

Essa viagem fez com que eu adquirisse um novo olhar, uma nova perspectiva para observar tudo ao meu redor. Ás vezes temos tendência a acreditar que o nosso mundo é apenas nossa cidade, nossa família e amigos, mas agora eu tenho certeza que meu mundo não é apenas isso, ele é tudo aquilo que eu puder conquistar.

Laura Cristina Silva Simões                                                                                    Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG

“O mundo é tudo o que você puder conquistar.”


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

MILSET BRASIL 2019

A MILSET Brasil 2019 aconteceu no período de 28 a 31 de maio. Possibilitou a vinda de congressistas de todas as regiões do país além da participação de outros países como Chile e Paraguai. Os participantes, do ensino infantil até o universitário, apresentam seus projetos e são avaliados divididos em áreas temáticas, facilitando a interação em áreas afins, trocas de experiências acadêmicas e culturais com outros participantes e visitantes.

Além das premiações como credenciamentos em feiras nacionais e internacionais, a MILSET proporciona aos seus congressistas e aos visitantes uma vivência inspiradora e rica da potencialidade e diversidade mundial e brasileira de se fazer ciência, também como extensão, de qualidade.

Um dos trabalhos apresentados no evento foi o “Reaproveitamento de resíduos derivados de pirólise na produção de carvão vegetal: uma alternativa para a redução dos impactos ambientais na utilização de agroquímicos” do Rio Grande do Sul. O Brasil é um dos países que mais utiliza agrotóxicos e o maior produtor de carvão vegetal do mundo. Durante a produção do carvão vegetal, diversos gases prejudiciais são liberados e alcançam todos os compartimentos ambientais, inclusive ao ser humano. Pensando nisso, os alunos do ensino médio da Escola Estadual Técnica Celeste Gobbato, criaram um produto alternativo aos agrotóxicos, mais sustentável e econômico a partir dos resíduos da produção do carvão vegetal para uso na agricultura, atuando no controle de ervas daninhas. Com o uso de um cano de policloreto de vinila (PVC) e um filtro posicionado na saída do cano, os gases são triados da atmosfera. A partir do filtro acontece a remoção em laboratório do extrato que dá origem ao produto. Visualmente já é possível perceber a diferença de qualidade da fumaça emitida na produção com e sem o uso filtro. As experiências de diferentes dosagens do produto em campo, comprovam a qualidade do trabalho e do objetivo como herbicida.

Texto: Lorena Sampaio – Avaliadora da Rede POC na MILSET Brasil 2019


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Memórias do Encuntro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovacción

Meu nome é Fernanda Luísa Silva Gomes e sou aluna do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), campus I, Belo Horizonte. Apresentei o trabalho “Avaliação do crescimento microbiano e de raízes de cebola em contato com a Petiveia alliacea” no Encuntro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovación. O trabalho foi iniciado dentro de sala de aula, por sugestão da professora. Ela desejava estudar plantas medicinais e pediu que fosse escolhêssemos uma. Optamos pela guiné, pois a mesma apresenta propriedades medicinais e tóxicas, simultaneamente. Desse modo, o trabalho buscou averiguar a influência da guiné na reprodução de raízes de cebola e de microrganismos. Apresentamos anteriormente em duas feiras locais de Belo Horizonte e ao receber o convite para participar do evento em questão, ficamos muito empolgadas.

Participar do evento foi uma oportunidade única. O mesmo contava coma participação de países da América Latina e de poucas instituições. Apesar de ser uma feira pequena, pude ver trabalhos de alta qualidade, conhecer pessoas de outras culturas e que falavam outro idioma, e, além disso, pude assistir palestras de temas atuais e relevantes.

Alunas e orientadora do projeto. Da direita para a esquerda: Maria Luna Senra Silvera, Fernanda Luísa Silva Gomes, Laura Cristina Silva Simões e Rosiane Resende Leite.

Cada país precisava fazer uma apresentação cultural que caracterizasse seu local de origem. Percebi muita empolgação do Brasil em relação aos demais países e uma diversidade imensa. O evento foi muito bem estruturado e agradavél, recomendo a todos a participarem se um dia tiverem a oportunidade.

Além da apresentação do projeto no dia da feira, o evento consistiu também de um passeio em Ambato e em Quito, no qual conheci lugares incríveis e muito diferentes da minha realidade. Em Ambato, conheci uma cachoeira e o centro comercial da cidade.

Passeio em Ambato, próximo a cachoeira

Já em Quito, fui a um vulcão, na Metade do Mundo e ao centro histórico. A participação no evento foi enriquecedora e inesquecível.

Passeio em Quito, próximo ao vulcão

O evento foi muito bem estruturado e agradável.

A participação no evento foi enriquecedora e inesquecível !!!

Por isso, havendo oportunidade, recomendo a todos participarem.

Fernanda Luísa Silva Gomes – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), campus I, Belo Horizonte.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Última chamada – Solicite sua medalha OIMSF

18 de junho – Dia do Químico

Intercâmbio cultural e científico em feira no Equador

Entre os dias 24 e 29 de abril de 2019, tivemos a oportunidade de apresentarmos um projeto na XV edição do Encontro Intercolegial e Latino-Americano de Projetos Produtivos, Ciência, Tecnologia e Inovação. Além da nossa delegação, formada pelo estudante Lucas Vinícius e pela gestora Viviane Gomes, tivemos a oportunidade de convivermos com outros estudantes e professores da delegação de Minas Gerais.

Nosso trabalho cujo título é Reuso da casca de sururu de forma sustentável na Brasília Teimosa mostra a reutilização das cascas de sururu trituradas e misturadas com gesso que são transformadas em blocos, objetos decorativos e jogos educativos. Além de reutilizarmos essas cascas, promovendo a diminuição de poluentes na Bacia do Pina, também iremos gerar uma melhoria na qualidade de vida para as(os) marisqueiras(os) com essa nova fonte de renda.    

A viagem foi bastante tranquila. Obtivemos as orientações prévias da Rede POC quanto ao suporte logístico que teríamos quando chegássemos ao Equador. Ao desembarcarmos em Quito, houve um período de adaptação por conta da altitude. Sempre acompanhados por Vinícius Ramos e Rodrigo Cortines, representantes da Rede POC, fizemos um city tours na parte histórica da cidade e nos surpreendemos com a rica cultura local.

No dia 25, deslocamo-nos a Ambato, cidade onde ocorreu a feira internacional. Ao chegarmos, fomos direto ao hotel e fomos recepcionados pelo Dr. Luiz Vargas. No período da tarde, seguimos à Universidade Técnica de Ambato – UTA, a fim de montar os estandes para a apresentação dos projetos.

No mesmo dia, à noite, realizamos um intercâmbio cultural brasileiro com os representantes do estado de Minas Gerais sobre as danças populares: o frevo e a quadrilha junina. Essa preparação ocorreu em virtude da apresentação cultural da delegação brasileira no encerramento do evento.

No dia 26, os estudantes, em língua espanhola, apresentaram seus projetos aos visitantes locais, representantes das escolas de ensino fundamental e médio, comerciantes, professores da UTA e outros para serem avaliados. Houve cobertura da imprensa local e os estudantes deram uma entrevista sobre os trabalhos desenvolvidos por eles nos respectivos países. Na parte da tarde, além, das apresentações dos projetos, houve palestras sobre inteligência artificial e Revolução Industrial 4.0.

No final do evento, cada país participante fez uma apresentação cultural.

No dia 27, continuamos com a programação oferecida pela Rede POC: as delegações participantes fizeram um city tours em Ambato, a maior cidade da província de Tungurahua. Paramos no Parque Juan Benigno Vela com suas esculturas verdes e no centro artesanal. Em seguida, fomos conhecer a cidade de Baños, conhecida pelas suas cachoeiras, fontes hidrotermais de água mineral e o vulcão Tungurahua.

No dia 28, saímos de Ambato a Quito, e, nesse intercâmbio cultural, fomos conhecer a cidade Metade do Mundo onde está situada a linha do Equador, dividindo os Hemisférios Norte e Sul. Outro marco do lugar é o monumento de 30 metros de altura onde está localizado o museu sobre a etnografia indígena do Equador. Dando continuidade ao passeio de encerramento no Equador, tivemos na montanha Pichincha, um pico da Cordilheira dos Andes a 4.700 metros de altitude. Subimos a montanha num teleférico e tivemos o privilégio de, chegando ao topo, termos uma maravilhosa vista da cidade de Quito e foi com essa vista que encerramos nossa viagem.


Risoneide Nunes de Morais                                                                                            Escola de Referência e Ensino Médio João Bezerra                                                      Recife – Pernambuco


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

O Respostas para o Amanhã recebe inscrições até 17/06. Não se esqueça!