MILSET BRASIL 2019

A MILSET Brasil 2019 aconteceu no período de 28 a 31 de maio. Possibilitou a vinda de congressistas de todas as regiões do país além da participação de outros países como Chile e Paraguai. Os participantes, do ensino infantil até o universitário, apresentam seus projetos e são avaliados divididos em áreas temáticas, facilitando a interação em áreas afins, trocas de experiências acadêmicas e culturais com outros participantes e visitantes.

Além das premiações como credenciamentos em feiras nacionais e internacionais, a MILSET proporciona aos seus congressistas e aos visitantes uma vivência inspiradora e rica da potencialidade e diversidade mundial e brasileira de se fazer ciência, também como extensão, de qualidade.

Um dos trabalhos apresentados no evento foi o “Reaproveitamento de resíduos derivados de pirólise na produção de carvão vegetal: uma alternativa para a redução dos impactos ambientais na utilização de agroquímicos” do Rio Grande do Sul. O Brasil é um dos países que mais utiliza agrotóxicos e o maior produtor de carvão vegetal do mundo. Durante a produção do carvão vegetal, diversos gases prejudiciais são liberados e alcançam todos os compartimentos ambientais, inclusive ao ser humano. Pensando nisso, os alunos do ensino médio da Escola Estadual Técnica Celeste Gobbato, criaram um produto alternativo aos agrotóxicos, mais sustentável e econômico a partir dos resíduos da produção do carvão vegetal para uso na agricultura, atuando no controle de ervas daninhas. Com o uso de um cano de policloreto de vinila (PVC) e um filtro posicionado na saída do cano, os gases são triados da atmosfera. A partir do filtro acontece a remoção em laboratório do extrato que dá origem ao produto. Visualmente já é possível perceber a diferença de qualidade da fumaça emitida na produção com e sem o uso filtro. As experiências de diferentes dosagens do produto em campo, comprovam a qualidade do trabalho e do objetivo como herbicida.

Texto: Lorena Sampaio – Avaliadora da Rede POC na MILSET Brasil 2019


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Memórias do Encuntro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovacción

Meu nome é Fernanda Luísa Silva Gomes e sou aluna do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), campus I, Belo Horizonte. Apresentei o trabalho “Avaliação do crescimento microbiano e de raízes de cebola em contato com a Petiveia alliacea” no Encuntro Latinoamericano de Proyectos Productivos, Ciencia, Tecnologia e Innovación. O trabalho foi iniciado dentro de sala de aula, por sugestão da professora. Ela desejava estudar plantas medicinais e pediu que fosse escolhêssemos uma. Optamos pela guiné, pois a mesma apresenta propriedades medicinais e tóxicas, simultaneamente. Desse modo, o trabalho buscou averiguar a influência da guiné na reprodução de raízes de cebola e de microrganismos. Apresentamos anteriormente em duas feiras locais de Belo Horizonte e ao receber o convite para participar do evento em questão, ficamos muito empolgadas.

Participar do evento foi uma oportunidade única. O mesmo contava coma participação de países da América Latina e de poucas instituições. Apesar de ser uma feira pequena, pude ver trabalhos de alta qualidade, conhecer pessoas de outras culturas e que falavam outro idioma, e, além disso, pude assistir palestras de temas atuais e relevantes.

Alunas e orientadora do projeto. Da direita para a esquerda: Maria Luna Senra Silvera, Fernanda Luísa Silva Gomes, Laura Cristina Silva Simões e Rosiane Resende Leite.

Cada país precisava fazer uma apresentação cultural que caracterizasse seu local de origem. Percebi muita empolgação do Brasil em relação aos demais países e uma diversidade imensa. O evento foi muito bem estruturado e agradavél, recomendo a todos a participarem se um dia tiverem a oportunidade.

Além da apresentação do projeto no dia da feira, o evento consistiu também de um passeio em Ambato e em Quito, no qual conheci lugares incríveis e muito diferentes da minha realidade. Em Ambato, conheci uma cachoeira e o centro comercial da cidade.

Passeio em Ambato, próximo a cachoeira

Já em Quito, fui a um vulcão, na Metade do Mundo e ao centro histórico. A participação no evento foi enriquecedora e inesquecível.

Passeio em Quito, próximo ao vulcão

O evento foi muito bem estruturado e agradável.

A participação no evento foi enriquecedora e inesquecível !!!

Por isso, havendo oportunidade, recomendo a todos participarem.

Fernanda Luísa Silva Gomes – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), campus I, Belo Horizonte.


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

Última chamada – Solicite sua medalha OIMSF

18 de junho – Dia do Químico

Intercâmbio cultural e científico em feira no Equador

Entre os dias 24 e 29 de abril de 2019, tivemos a oportunidade de apresentarmos um projeto na XV edição do Encontro Intercolegial e Latino-Americano de Projetos Produtivos, Ciência, Tecnologia e Inovação. Além da nossa delegação, formada pelo estudante Lucas Vinícius e pela gestora Viviane Gomes, tivemos a oportunidade de convivermos com outros estudantes e professores da delegação de Minas Gerais.

Nosso trabalho cujo título é Reuso da casca de sururu de forma sustentável na Brasília Teimosa mostra a reutilização das cascas de sururu trituradas e misturadas com gesso que são transformadas em blocos, objetos decorativos e jogos educativos. Além de reutilizarmos essas cascas, promovendo a diminuição de poluentes na Bacia do Pina, também iremos gerar uma melhoria na qualidade de vida para as(os) marisqueiras(os) com essa nova fonte de renda.    

A viagem foi bastante tranquila. Obtivemos as orientações prévias da Rede POC quanto ao suporte logístico que teríamos quando chegássemos ao Equador. Ao desembarcarmos em Quito, houve um período de adaptação por conta da altitude. Sempre acompanhados por Vinícius Ramos e Rodrigo Cortines, representantes da Rede POC, fizemos um city tours na parte histórica da cidade e nos surpreendemos com a rica cultura local.

No dia 25, deslocamo-nos a Ambato, cidade onde ocorreu a feira internacional. Ao chegarmos, fomos direto ao hotel e fomos recepcionados pelo Dr. Luiz Vargas. No período da tarde, seguimos à Universidade Técnica de Ambato – UTA, a fim de montar os estandes para a apresentação dos projetos.

No mesmo dia, à noite, realizamos um intercâmbio cultural brasileiro com os representantes do estado de Minas Gerais sobre as danças populares: o frevo e a quadrilha junina. Essa preparação ocorreu em virtude da apresentação cultural da delegação brasileira no encerramento do evento.

No dia 26, os estudantes, em língua espanhola, apresentaram seus projetos aos visitantes locais, representantes das escolas de ensino fundamental e médio, comerciantes, professores da UTA e outros para serem avaliados. Houve cobertura da imprensa local e os estudantes deram uma entrevista sobre os trabalhos desenvolvidos por eles nos respectivos países. Na parte da tarde, além, das apresentações dos projetos, houve palestras sobre inteligência artificial e Revolução Industrial 4.0.

No final do evento, cada país participante fez uma apresentação cultural.

No dia 27, continuamos com a programação oferecida pela Rede POC: as delegações participantes fizeram um city tours em Ambato, a maior cidade da província de Tungurahua. Paramos no Parque Juan Benigno Vela com suas esculturas verdes e no centro artesanal. Em seguida, fomos conhecer a cidade de Baños, conhecida pelas suas cachoeiras, fontes hidrotermais de água mineral e o vulcão Tungurahua.

No dia 28, saímos de Ambato a Quito, e, nesse intercâmbio cultural, fomos conhecer a cidade Metade do Mundo onde está situada a linha do Equador, dividindo os Hemisférios Norte e Sul. Outro marco do lugar é o monumento de 30 metros de altura onde está localizado o museu sobre a etnografia indígena do Equador. Dando continuidade ao passeio de encerramento no Equador, tivemos na montanha Pichincha, um pico da Cordilheira dos Andes a 4.700 metros de altitude. Subimos a montanha num teleférico e tivemos o privilégio de, chegando ao topo, termos uma maravilhosa vista da cidade de Quito e foi com essa vista que encerramos nossa viagem.


Risoneide Nunes de Morais                                                                                            Escola de Referência e Ensino Médio João Bezerra                                                      Recife – Pernambuco


Gabriel Menegazzi Conceição                                                                                    Representante internacional e editor do blog da Rede POC                                   Email: menegazzi@mail.ufsm.br

O Respostas para o Amanhã recebe inscrições até 17/06. Não se esqueça!

Rede POC no LIYSF 2019

22 de maio – dia da biodiversidade

Conheça os vencedores da OIMSF

Confira no site o resultado da OIMSF